Dia 9 de abril é comemorado o dia aço. Esta liga metálica composta essencialmente de ferro e carbono é amplamente utilizada na construção civil, mas o alto custo tem preocupado construtoras e também compradores, que observam a tendência de aumento dos valores dos imóveis, que deve ficar acima da inflação.

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) - maior siderúrgica da América Latina e uma das maiores do mundo - anunciou neste mês um aumento de 20% no preço do aço por conta da alta de custos de matérias-primas e insumos após a guerra na Ucrânia. Mas além do aço, os materiais de construção em geral tiveram alta expressiva e os custos da construção dispararam no Brasil.

O diretor de operações da Rottas Construtora e Incorporadora, João Felipe Mora, disse que a pandemia também teve um papel fundamental na elevação dos preços. “As altas não se restringem apenas ao aço. Durante esses dois anos de pandemia percebemos um aumento significativo nos preços dos materiais e equipamentos de construção e também da mão de obra”, afirma o diretor.

Esse conjunto reflete diretamente no custo que as construtoras têm para executar os projetos e em alguns casos, o diretor informa que chegaram a 100% do que era praticado no mercado antes da pandemia.

“As obras contratadas em 2020 e 2021 usavam previsões que tinham por base outros valores que hoje estão defasados, e o que seria lucro pode se tornar prejuízo sem o devido planejamento”, explica Mora.

De acordo com o Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), nos últimos cinco anos o valor médio do metro quadrado de uma construção quase 50%. O valor é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mas mesmo diante das altas há previsão de aquecimento do setor com dados do Sindicato das Indústrias de Construção Civil do Paraná (Sinduscon-PR). De acordo com pesquisa realizada pela entidade, mais de 60% das empresas associadas à entidade pretendem aumentar o nível de atividade em 2022 e 70% das empresas no Paraná têm lançamentos programados ou intenção de lançar empreendimentos neste ano.

Boa notícia
O impacto dos preços foi sentido em números do programa Casa Verde e Amarela, segmento mais afetado pelos aumentos, em função de suas margens, que são menores, e por possuir teto para contratação.

Mas para tentar amenizar a situação, o governo federal publicou em março um decreto que estabelece um novo valor máximo de subsídio para compra e construção de imóveis pelo programa. A novidade representa um aumento de 15% no teto do valor de financiamento, o que deve estimular o mercado imobiliário e ampliar o número de famílias contempladas. O principal alvo são famílias com renda mensal bruta de até R$ 2.400,00.

Outra novidade é a queda dos juros para duas faixas de renda do programa, em 0,5 ponto percentual. Com a nova curva, rendas de até R$ 2.400 terão redução de 5% para 4,5% ao ano.

“Para efeito de comparação, a taxa de juros média em financiamentos imobiliários no Brasil é de 7,5%, segundo o Banco Central. Com a baixa na taxa de juros e elevação da curva, as famílias terão um valor financiável maior que pode significar até R$ 12 mil a mais no poder de compra”, explica a coordenadora de crédito imobiliário da Rottas, Vanessa Ianz.

“Com o aumento significativo do valor dos imóveis, antes uma família com renda de R$ 2 mil teria mais dificuldades em financiar um imóvel, com a curva estendida para R$ 2.400,00, a reformulação no cálculo desse subsidio e redução na taxa de juros essa família terá mais facilidade em adquirir seu imóvel”, completa.

SOBRE A CONSTRUTORA ROTTAS
Com modernas técnicas de construção e gestão de obras, a Rottas Construtora e Incorporadora foi fundada em 2010 pelos engenheiros Paulo Folador e Mario Augusto Stresser, com a proposta de oferecer aos clientes qualidade, planejamento e compromisso com as obras. Com mais de 260 mil m2 construídos, a empresa acumula um portfólio com mais de 5 mil unidades habitacionais, atuando em Curitiba e Região Metropolitana, Londrina, Ponta Grossa, Guarapuava e Joinville, em Santa Catarina. Em 2021, a Rottas lança sua nova marca, a Rottas Prime, focada em empreendimentos de médio e alto padrão. A construtora foi um dos destaques do 50º Ranking da Engenharia Brasileira, publicado pela Revista O Empreiteiro, na categoria Construtoras, junto a grandes empresas do segmento no país. Também venceu o prêmio Incorporador do Ano 2021, Ademi-PR, na categoria Melhor Campanha de Marketing.  Ainda em 2021, a Rottas obteve a certificação nacional NDT (nível 2), emitida pela Caixa Econômica Federal (CEF), que reconhece a qualificação técnica dos empreendimentos desde o projeto até a entrega. Além do NDT, a Rottas possui a certificação ISO9001, norma que certifica os Sistemas de Gestão da Qualidade e possui ferramentas de padronização e a certificação PBQP-H Nível A, um programa para estimular o desenvolvimento do setor da construção civil em que o governo facilita o acesso ao crédito e em contrapartida as construtoras melhoram sua operação e a qualidade das suas construções.

Compartilhar:

Redação

Comente:

0 comentários

Boazinhas